Egbert Schuurman (1937 - ) is a professor of Reformational philosophy at the Universities of Delft

Egbert Schuurman (1937 - ) is a professor of Reformational philosophy at the Universities of Delft

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Tecnologia e a Nova Ordem Mundial. Métodos e as diretrizes atuais que estão formando um governo mundial absolutista e totalitário.

Publicado em 26/03/2013
          
Baseado no livro de Grant. R. Jeffrey - Shadow Government.

Conheça os métodos e as diretrizes atuais que estão formando um governo mundial absolutista e totalitário.

Neste Documentário você fica por dentro da tecnologia e das ideias sendo implementadas hoje para um inevitável futuro sombrio.

É manifestamente provável a criação de um regime global esquerdista e autoritário, que tem a intenção de controlar e regular todos os aspectos da nossa existência, mais conhecido como A Nova Ordem Mundial. (NOM), (NWO).

 

(Vídeo) - Como você Representa Cristo no Facebook? - Tim Conway


sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Características fascistas e ditatoriais são inerentes ao sistema marxista: Exército secreto de 2 milhões de censores da internet

Exército secreto de 2 milhões de censores da internet

Luis Dufaur

Control Internet 01 - Cópia
 
A China tem dois milhões de pessoas vigiando a internet, contingente maior que o das Forças Armadas do país, informou a “Folha de S.Paulo” (11-10-2013).
 
O número foi divulgado pelo jornal estatal Beijing News.

Ele oferece uma rara pista para dimensionar o exército secreto usado pelo governo para controlar e censurar a rede dentro do país e no exterior.

Descritos pelo jornal como “analistas de opinião”, os vigilantes da rede são empregados pelo Estado e por empresas comerciais para filtrar o que é publicado em sites, blogs e microblogs, como o popular Sina Weibo, a versão chinesa do Twitter, com milhões de assinantes.

Com a imprensa sob controle total do Estado, a internet transformou-se num dos raros canais para os chineses criticarem o governo.

Além disso, blogs têm sido usados com frequência para revelar ações impróprias ou ilegais de autoridades.

A reportagem do Beijing News também dá uma idéia de como trabalham os “analistas de opinião”.
Sem especificar onde eles atuam, embora na rede já muitos foram apontados, o jornal cita o caso de Tang Xiaotao, contratado há menos de seis meses.

“Ele passa o dia na frente do computador e, por meio de um aplicativo, vigia as palavras escolhidas pelos clientes”, diz o relato.

“Em seguida, monitora opiniões negativas relativas aos clientes e faz relatórios”.

Em um estudo feito no início do ano, dois cientistas da computação norte-americanos, Jed Crandall e Dan Wallach, concluíram que uma mensagem indesejada publicada na internet chinesa pode levar apenas cinco minutos para ser deletada — e no máximo, 24 horas.

Enquanto isso, o Partido Comunista chinês anuncia mais medidas liberalizantes da ditadura.

Para “inglês ver”, é claro.

Fonte: http://ipco.org.br/ipco/noticias/exercito-secreto-2-milhoes-censores-internet#.UqKASP6A3IU

Médicos alertam sobre Facebook: perigo de depressão

Mathias Von Gersdorff

Dra. Gwenn O’Keefe
Dra. Gwenn O’Keefe

A Academia Americana de Pediatras (AAP) alerta sobre riscos de forte depressão em jovens sensíveis à internet.

O uso da Internet pode causar danos a jovens, segundo a opinião da pediatra Gwenn O’Keefe, de Boston. Particularmente sensíveis são aqueles jovens propensos à insegurança. Eles tendem a olhar longamente fotos de pessoas em festas e reuniões amistosas. Caso não consigam imitá-los são tomados por melancolia, previne a autora das directrizes da AAP a respeito do uso da Internet.
O fato de que gestos e movimentos corporais das pessoas não apareçam em Facebooks faz com que eles deem da realidade um quadro grosseiramente distorcido. A linguagem corporal permite melhor compreender uma situação humana. Assim acontece que muitos usuários da Internet caem em profunda aflição, caso não possuam tantos amigos quanto outros que se manifestam em páginas do Facebook, caso não viajem frequentemente ou não façam muita coisa na vida. Então, apenas presenciar o que amigos realizam enquanto eles ficam imóveis, causa-lhes depressão.

“No total trata-se de uma grande competição de popularidade. Ganha aquele que tem o maior número de amigos ou ostenta o maior número de fotos em sua página web”, diz uma estudante de 16 anos.

“Os pais devem tomar consciência do perigo da depressão através do Facebook e conversar a respeito com seus filhos. O mesmo conselho é válido quando se trata da internet-mobbing ou da crescente propagação do sexo, tal como o envio por SMS de fotos ostentando pessoas despidas”, aconselha a revista “Pediatrics”.


Fonte: http://ipco.org.br/ipco/noticias/medicos-alertam-facebook-perigo-depressao#.UqIO8v6A3IU

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Posts no Facebook podem revelar psicopatas

Posts no Facebook podem revelar psicopatas; saiba mais

Imagem: Divulgação
 
Pesquisadores da AQcademia Sahlgrenska e da Universidade Lund, na Suécia, descobriram que atualizações de status no Facebook podem revelar uma série de traços da personalidade, inclusive se alguém tem tendências psicopatas.
 
Essas pessoas postam geralmente assuntos relacionados a prostituição, decapitação, pornografia e massacres. Segundo a pesquisa, pessoas com traços psicopáticos são focados em seus próprios desejos e não têm empatia pelos outros.
 
Aqueles com traços de personalidade narcisista, apontam os suecos, poderiam enfatizar suas próprias características boas, por exemplo, repetindo que os outros não entendem o que é a verdadeira felicidade.
 
Narcisistas são voltadas para si mesmos, optando sempre pela auto-glorificação e confiança exagerada em suas próprias habilidades. A pesquisa diz também que traços de personalidades neuróticas também podem ser identificados.
 
O estudo também mostra que os usuários do Facebook com personalidades extrovertidas e abertas geralmente têm muitos amigos e atualizam seu status com mais frequência do que outros.
 
O estudo, chamado The Dark Side of Facebook, foi publicado na revista científica Personality And Individual Differences.
 
Deixe o seu comentário no Verdade Gospel.
 
Fonte: A Tarde
 

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Desconexão e perda de amizades, entre os “benefícios” do Facebook

Desconexão e perda de amizades, entre os “benefícios” do Facebook

Luis Dufaur

“É engraçado, o Facebook banca de rede social, mas na prática estamos nos desconectando”

A cadeia de TV CNN, edição em espanhol, convidou seus leitores a contar por que estão saindo do Facebook. O caderno feminino do jornal “Clarin”, de Buenos Aires, resumiu as cinco principais respostas:

1. Perda de comunicação com parentes e amigos reais
“Nós sacrificamos a conversação trocando-a pela mera conexão. Em casa, as famílias podem estar reunidas, mas cada um fica mandando mensagens e lendo e-mails. Os executivos mandam mensagens durante reuniões da diretoria. Mandamos mensagens, fazemos compras além de entrar no Facebook durante as aulas e quando saímos com alguém”, resumiu a psicóloga Sherry Turkle.

“É engraçado, o Facebook banca de rede social, mas na prática estamos nos desconectando”, respondeu outra pessoa à CNN. “Se você passa o tempo vendo fotos de “amigos de amigos” que nem conhece, quiçá você poderia pensar em passar um momento com alguém mais próximo, chamar a sua irmã, voltar a ter contato com as pessoas que, sim, são importantes”.
2. “Amizades” irreais, ou na realidade falsas
“Você poderia pensar em passar um momento com alguém mais próximo, chamar a sua irmã, voltar a ter contato com as pessoas que sim são importantes”
“Você poderia pensar em passar um momento com alguém mais próximo, chamar a sua irmã, voltar a ter contato com as pessoas que sim são importantes”
Segundo a CNN, “os usuários que mais tempo passam no site acreditam constantemente que seus amigos do Facebook são mais felizes do que eles”. Resultado: correm atrás de uma ilusão de felicidade que nunca conseguem atingir.
3. Perda da privacidade
“O Facebook mudou com frequência suas configurações de privacidade no passado e continuará a fazê-lo, sempre em detrimento da privacidade”, comentou outro dos consultados pela CNN.
4. Perda de tempo
“É facílimo perder uma hora no Facebook… É útil perder todo esse tempo?” – foi outra das explicações da saída de Facebook, segundo a CNN.
5. Ameaças à imagem pessoal ou profissional 
Pessoas que julgam não participar das redes sociais, nem mesmo no Facebook, na realidade aparecem nos buscadores com fotos, comentários e dados pessoais subidos por amigos, companheiros ou conhecidos. Isto pode ser muito prejudicial em circunstâncias impensadas.

Fonte: http://ipco.org.br/ipco/noticias/desconexao-perda-amizades-beneficios-facebook#.UmXUR8JTvIU

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Facebook produz efeito inverso, dizem cientistas

Facebook produz efeito inverso, dizem cientistas

Luis Dufaur
“Quanto mais se utiliza Facebook menos bem se sentem as pessoas”
“Quanto mais se utiliza Facebook menos bem se sentem as pessoas”
Em vez de melhorar o bem-estar das pessoas, o Facebook produz o efeito inverso” – constatou Ethan Kross, psicólogo da Universidade de Michigan e principal autor de um estudo publicado pelo jornal científico PLOS.“
A notícia é do matutino parisiense “Le Monde”.
Os pesquisadores analisaram 82 jovens comsmartphones e contas noFacebook, no intuito de avaliar se eles se sentiam melhor enviando textos cinco vezes por dia durante duas semanas, além de calcular o número de seus acessos à rede social.
Os resultados apontaram que “quanto mais se utiliza o Facebook, menos as pessoas se sentem bem. (…) Quanto mais o utilizam, mais declina seu nível de satisfação”.
Em sentido contrário, o relacionamento real com as pessoas contribui para melhorar o bem-estar pessoal.
Estes são resultados da mais alta importância, pois tocam no próprio cerne de influência que as redes sociais podem exercer na vida das pessoas”, sublinhou John Jonides, especialista em neurociências da Universidade de Michigan e coautor do estudo. Os cientistas notaram que as pessoas recorrem mais à rede social quando se sentem privadas do relacionamento normal.
O estudo foi publicado uma semana depois de sair um inquérito de pesquisadores britânicos sobre a postagem frequente de fotos no Facebook como motivo de deterioração das relações humanas na vida real.

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

“Demência digital” alarma Coréia do Sul e Alemanha

“Demência digital” alarma Coréia do Sul e Alemanha

Luis Dufaur
Aumento da 'demência digital' entre os jovens preocupa médicos da Coreia do Sul
Aumento da ‘demência digital’ entre os jovens preocupa médicos da Coreia do Sul
A Coreia do Sul é um dos países mais conectados digitalmente no mundo, mas desde 1990 vem registrando o crescimento do problema da “adicção à Internet” entre adultos e jovens, escreveu o “The Telegraph”.
Essa adicção está evoluindo para o que os sul-coreanos chamam de “demência digital”. O termo designa uma deterioração das capacidades cognitivas que antes só se viam em pessoas que sofreram graves lesões no crânio ou doenças psiquiátricas.
“O uso excessivo de smartphones e jogos digitais dificulta o desenvolvimento equilibrado do cérebro”, explicou ao jornal “Joong Ang Daily”, de Seul, o médico Byun Gi-won, do Centro para o Equilíbrio Cerebral.
“Os usuários ‘pesados’ tendem a desenvolver o lado esquerdo de seus cérebros, deixando no subdesenvolvimento ou no estancamento o lado direito” – acrescentou. Do lado direito depende a concentração mental, e sua falência afeta a atenção e a memória, danos que se verificam num 15% dos casos de “demência digital” precoce.
Os pacientes desta nova patologia exibem também subdesenvolvimento emocional, sendo que as crianças correm mais riscos do que os adultos porque seus cérebros ainda estão crescendo.
Também na Alemanha, médicos temem danos cerebrais e pedem limitar uso de equipamentos digitais
Também na Alemanha, médicos temem danos cerebrais e pedem limitar uso de equipamentos digitais
Segundo os médicos, a situação está piorando na medida em que a média de jovens entre 10 e 19 anos que usam smartphones mais de sete horas por dia cresceu até 18,4%, um aumento de 7% em relação ao ano passado.
Mais de 67% dos sul-coreanos possuem smartphone, o maior índice do mundo. Nos adolescentes a proporção é de mais de 64%, segundo o Ministério para as Ciências. O governo calcula que 20% dos menores de idade sofrem depressão e ansiedade quando fica sem mexer com celular.
O neurocientista alemão Manfred Spitzer publicou em 2012 o livro Digital Dementia, alertando pais e professores para o perigo que correm as crianças que ficam muito tempo diante de laptops, tablets, celulares ou outros aparelhos eletrônicos.
Segundo o Dr. Spitzer, os déficits no desenvolvimento cerebral são irreversíveis. Para ele, os equipamentos digitais deveriam ser banidos das escolas alemãs antes que os jovens se tornem adictos.
Por sua vez, a BBC Brasil noticiou que os ministérios da Educação e da Saúde sul-coreanos pediram que as escolas organizem acampamentos visando livrar as crianças dos atrativos negativos da adição a Internet e a concomitante “demência digital”.




terça-feira, 10 de setembro de 2013

OPORTUNIDADE DE TRABALHO - ÁREA COMERCIAL/VENDAS

OPORTUNIDADE DE TRABALHO  - ÁREA COMERCIAL/VENDAS

Uma das maiores empresas de consórcio do Brasil está contratando com experiência ou sem experiência para trabalhar com vendas de consórcios. 

Possibilidade de ganhos de R$ 10.000,00 mensais.

O profissional pode optar pelas opções: CLT (Salário Mínimo Garantido, mais benefícios e Comissões de até 1,5%), Autônomo (comissões até 2,5%) ou PJ (Comissões até 5% - vagas disponíveis para todo o Brasil). Cartas de Créditos de R$ 5.000,00 até R$ 10 milhões de reais (motos, serviços, veículos, caminhões, imóveis, embarcações, aeronaves, equipamentos e máquinas)

Enviar CV para o e-mail: bancodetalentos@bol.com.br   
http://vagasparavendedoresdeconsorcio.blogspot.com 

sábado, 17 de agosto de 2013

Virtual Reality: Multiple Modes of Meaning - Kamaran Fathulla

(35) Virtual Reality: Multiple Modes of Meaning

Kamaran Fathulla
Our interaction with the richness and complexity of the “real” world is intuitive and tacit or ‘proximal’ (Polanyi, 1967).  We know of the various types of things, what is real, and what is not. We gained this ability for many reasons least of all is through our evolutionary
development. However, the same cannot be said of a “virtual” world which we create.
This is primarily because of the presence of an interface, namely computer technology,
between us and the virtual world.

Though this interface is crucial and facilitates the creation of such worlds it nevertheless,
brings in added complexities which can make virtual worlds seem to be less real and
hence less intuitive than the actual real world. Virtual worlds have expressions of physical
objects but they may also have visual expressions of non-physical things, there are non-avatar objects which are crucial and important elements of these worlds, there are
auditory shapes flying around the screen, and so on. If computer technology is to create
virtual worlds that are very proximal to the richness and intuitiveness of the reality of the
real world then we must have a good account of what constitutes this reality. This is
undoubtedly a philosophical question.

Historically, reductionist schools of thought have had a major influence on our
understanding of reality. Such an approach seems to be at odds with our everyday
experience of reality which revolves around multiple and different modes of meaning.  A
typical object, such as plant, can have multiple meanings such as biotic, spatial, historical,
commercial, aesthetic, and many more.  Furthermore, none of these modes of meaning
are at odd or in conflict with each other. It therefore, implies that the things we interact
with in a virtual world might also have different modes of meaning and serve different
purposes at the same time. This is a unique challenge for developers and designers for
virtual worlds because of the limitations and restrictions imposed by existing reductionist
frameworks of understanding.

This paper introduces a new way of addressing this challenge through the proposal of
fifteen ways or modes of meaning developed by the Dutch philosopher Herman
Dooyeweerd. We will then explores its application particularly through its notions of
“Individuality Structures” followed by the notion of “Enkapsis”, to the question of modes
of meaning and how this benefits the development of virtual reality applications and
technologies.
References:
Dooyeweerd, H. (1955). A new critique of theoretical thought (Vols. I-IV). Jordan Station, Ontario, Canada:   Paideia Press. (Original work published 1953-1958)
Polanyi, M. (1967) The Tacit Dimension, London: Routledge & Keagan Paul.
Paper 2

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Como usar a internet para promover conteúdo doutrinário

Tiago Santos – Teologando: Como usar a internet para promover conteúdo doutrinário

tiago-blogs

A fé cristã é um contraponto à caótica visão de mundo do pós-modernismo. Ela é coesa, coerente, histórica, reta, faz afirmação da verdade e é revelada. Ela tem sido transmitida pelo fenômeno dokerygma, da pregação – e a chamo de fenômeno porque sua entrega e aplicação é obra do Espírito Santo de Deus – e também pela prática da instrução pastoral, do ensino na igreja e às famílias cristãs, a catequese.
O puritano Thomas Watson (1620-1686) abre o seu “Body of divinity”, uma obra que se tornou um clássico na importante obra de instruir o cristão em doutrinas importantes das Escrituras, com a seguinte afirmação: “É de suma importância que o cristão seja instruído no fundamento da religião. É o dever dos cristãos se firmarem e se fundamentarem na doutrina da fé”.
Baseando sua obra no Breve Catecismo de Westminster, Watson sintetizou, com a precisão típica dos puritanos de seu período, a essência de toda instrução teológica: “Firmar-se e fundamentar-se na doutrina e fé”. Partindo dessa premissa, ele passa a demonstrar a importância da instrução teológica para uma vida cristã madura e uma fé robusta, capaz de resistir às provas do falso ensino e capaz de levar o cristão ao crescimento e firmeza na fé.
Há muita sabedoria na instrução de Watson. Em suas palavras, ele segue uma tradição antiga e bem sucedida que se consolidou como o método mais eficiente de transmissão de instrução teológica para o povo de Deus: a catequese. Nesse método, um corpo básico da doutrina cristã é transmitido pelo pastor ao rebanho, através de perguntas bem elaboradas e respostas com ampla fundamentação bíblica.  A base desse corpo teológico, via de regra, era o Credo dos Apóstolos, a Oração do Senhor, e os Dez Mandamentos. O pastor visitava os fiéis, fortalecendo sua fé por meio de exortações à devoção e incentivando-os se agarrar à mensagem das Escrituras.
A prática da catequese ganhou novo vigor a partir da Reforma do século XVI. A necessidade de instruir na fé os cristãos levou os mestres da igreja a produzir catecismos e confissões de fé que formaram, naquele período, um dos corpos mais ricos de doutrina cristã. Um exemplo da prática bem sucedida da catequese se viu em Richard Baxter, um ministro puritano contemporâneo de Thomas Watson, que foi um grande mestre do trabalho pastoral catequético. Durante seu ministério na pequena vila de Kiddermister, no interior da Inglaterra, mudanças profundas aconteceram por conta do zelo pastoral de Baxter. Diz-se que quando de sua chegada na cidade, “podia-se contar nos dedos de uma mão os que eram realmente piedosos, mas, ao fim de seu ministério naquela vila que tinha pouco mais de 3.000 habitantes, não havia uma única casa onde não houvessem crentes. Conta-se que, quando um viajante passava pelas ruas da cidade num certo horário do dia, podia-se ouvir de longe o canto de louvor que se proferia nas casas daquela vila”[1]. Em sua obra prima sobre a atividade pastoral, Baxter dá especial atenção ao trabalho catequético do pastor, dizendo o seguinte:
Nossa preocupação pastoral deve ser com todo o rebanho, com toda a comunidade. (…). Temos de nos dedicar aos indivíduos da igreja; precisamos conhecer cada pessoa que está a nosso cargo, pois como poderemos olhar por elas se não as conhecermos? (…). Nosso trabalho consiste em: confirmação, progresso, preservação, restauração e consolação[2].
Na prática pastoral de Baxter, ele tinha o propósito de “ensinar os pontos fundamentais da doutrina, para a edificação do cristão e sua progressão na fé e na verdade[3]”.
Por séculos, a teologia tem sido desenvolvida na igreja através das demandas pastorais e do estudo aplicado e disciplinado das Escrituras e o conhecimento teológico tem sido disseminado para os cristãos através da pregação e de uma catequese pastoral intencional e dirigida às necessidades do povo de Deus. Nossa geração precisa relembrar desse velho e eficiente princípio.
Ainda que a internet e o blog possam, efetivamente, oferecer uma boa palavra ao leitor ou ouvinte, a instrução sólida será aquela que é rotineira, pastoral, dominical, que envolve investimento de tempo e de atenção aos problemas reais que as pessoas experimentam. As pessoas precisam ser pastoreadas e os blogs não poderão fazer isso por elas. O pastor virtual terá uma ovelha virtual.
Da Igreja para fora: Alguns critérios para combinar blog e teologia
Tendo dito isto, preciso reconhecer que a internet oferece sim vantagens para a reflexão teológica. Fazemos bem em fazer uso desta ferramenta tão poderosa. Mas precisamos de balizas, de critérios, de sabedoria e discernimento se queremos oferecer um conteúdo que seja abençoador e edificante ao povo de Deus. Nesta parte final, quero propor 15 conselhos para o blogueiro cristão usar como princípio para seus textos e postagens:
1. O blogueiro precisa estar consciente do ambiente perigoso e sem nexo que é a internet e, assim, ser muito cuidadoso quanto à seleção de conteúdo e a linguagem escolhida para apresentá-lo aos seus leitores.
2. A produção de reflexões teológicas deve ser derivada e motivada pelo amor e zelo pela Palavra de Deus. Ele deve trabalhar seu texto para levá-lo de volta às Escrituras, instigando-o a desenvolver um espírito bereano.
3. A boa teologia sempre refletirá o ensino das Escrituras em resposta às demandas e preocupações pastorais e ministeriais.
4. Reflexão teológica deve ser parte do trabalho ministerial e não um fim em si mesmo.
5. O blogueiro cristão deve se lembrar de que a fé cristã não começou em sua própria geração. Ele deve buscar respaldo no longo e antigo séquito de fieis seguidores de Cristo ao longo da história.
6. Ele deve ter uma postura humilde e procurar trabalhar no âmbito de seus conhecimentos e experiência ministerial. (Pv 16.18)
7. O blogueiro cristão deve examinar seu próprio coração e discernir a motivação que o leva a produzir seu texto. Ele é resultado de que preocupação? O que o levou a produzir esta reflexão? Que propósito almeja?
8. O blogueiro cristão deve estar ligado a uma igreja local e ter comunhão com ela. Dificilmente ele terá algo a oferecer para o leitor se ele mesmo não for parte da comunidade visível de Deus na terra, a igreja.
9. O blogueiro cristão deve ser uma pessoa madura na fé, que produz seus textos de forma equilibrada, consciente e cuidadosa, buscando sempre a edificação do leitor.
10. O blogueiro cristão deve conhecer bem a teologia. Há muitos “teólogos de internet”, que obtiveram seu conhecimento doutrinário através da leitura da… internet. Sem o aprofundamento que a vida de igreja e a academia cristã oferecem, não é prudente se aventurar a produzir um blog de teologia.
11. O blogueiro cristão deve ser muito cuidadoso com a ética, especialmente no tratamento a outro irmão na fé. Deve lidar com o leitor virtual como se estivesse face a face com ele.
12. O blogueiro cristão deve refletir os valores da fé e da ética cristã em seus textos, procurando oferecer uma palavra boa, graciosa, verdadeira, firme e bíblica.
13. O blogueiro cristão deve ter cuidado para não se envolver em polêmicas vazias, denúncias sem propósitos, fofocas, intrigas e discussões áridas (Ef. 5.4).
14. O blogueiro cristão deve ter o discernimento de não tratar certos assuntos na internet. O blog nem sempre será o lugar mais apropriado para se tratar de assuntos mais espinhosos ou complexos da fé cristã. Não é lugar também para a exposição de dilemas e crises de fé (esse lugar é a oração e a comunhão com os santos, na Igreja). É preciso ter sensibilidade com o leitor que não domina certas matérias e com a possibilidade de causar tropeço aos novos na fé.
15. O escritor de blog deve ser alguém que lê bons livros teológicos e que está bem informado das tendências e pensamentos teológicos de sua própria época. Charles Spurgeon, o grande pregador britânico do século XIX, ao falar sobre a importância dos livros disse o seguinte:
“Paulo foi inspirado pelo Espírito, mas, ainda assim, quer livros! Ele esteve pregando por pelo menos 30 anos, mas, ainda assim, quer livros! Ele viu o Senhor, mas, ainda assim, quer livros! Ele foi arrebatado ao terceiro céu, e ouviu coisas que eram proibidas ao homem pronunciar, mas, ainda assim, quer livros! Ele escreveu a maior parte do Novo Testamento, mas, ainda assim, quer livros! O apóstolo disse a Timóteo e da mesma forma diz a todos os pregadores: ‘Aplica-te à leitura!`.
O homem que nunca lê, jamais será lido; aquele que nunca cita, jamais será citado. Aquele que nunca usa os pensamentos do cérebro de outros homens, prova que ele mesmo não tem cérebro. Irmãos, aquilo que é aplicável aos ministros também é verdade a todo o nosso povo. Você precisa ler. Renuncie o máximo possível todo tipo de leitura artificial, mas estude o máximo possível as sólidas obras teológicas, especialmente os escritores puritanos, e comentários da Bíblia. Estou completamente persuadido de que a melhor forma de você gastar o seu tempo de lazer é lendo e orando. Assim, você será capaz de extrair muitas informações dos livros, as quais depois poderão ser usadas como verdadeiras armas a serviço de seu Senhor e Mestre. Paulo clama: ‘Traga os livros`. Junte-se a ele nesse clamor.”[4]
O blogueiro cristão deve estar debaixo da convicção de que realmente tem algo importante a dizer, de que tem um conselho bom a dar, de que tem uma direção segura para apontar, de que sua palavra será relevante e útil para a edificação da Igreja e glória do Pai.
Que o Senhor nos ajude a fazer teologia com responsabilidade e a usar com sabedoria os meios que temos à nossa disposição para disseminar as imutáveis verdades do santo evangelho de Jesus Cristo.

[1] William Baker, Puritan Profiles (Mentor: Ross Shire, Scotland, 1999) p.289-290
[2] Richard Baxter, O Pastor Aprovado (Pes: São Paulo, SP, 1996) p.100;102
[3] Ibid. p. 139
[4] Ligon Duncan – citando C. H. Spurgeon [sermão 452 – Paul – His cloak and his books – 1882]; Amado Timóteo, ed. Tom Ascol. (Editora Fiel: São José dos Campos, SP, 2005).
g_capa_blogsPor Tiago J. Santos Filho. Trecho do livro: Blogs Evangélicos; O Impacto da Mensagem Cristã na Internet. 1a. Edição., organizado por Valmir Nascimento. Visão Cristocêntrica: Campina Grande [PB], 2013, pp70-71. Usado com Permissão.