Egbert Schuurman (1937 - ) is a professor of Reformational philosophy at the Universities of Delft

Egbert Schuurman (1937 - ) is a professor of Reformational philosophy at the Universities of Delft

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Desconexão e perda de amizades, entre os “benefícios” do Facebook

Desconexão e perda de amizades, entre os “benefícios” do Facebook

Luis Dufaur

“É engraçado, o Facebook banca de rede social, mas na prática estamos nos desconectando”

A cadeia de TV CNN, edição em espanhol, convidou seus leitores a contar por que estão saindo do Facebook. O caderno feminino do jornal “Clarin”, de Buenos Aires, resumiu as cinco principais respostas:

1. Perda de comunicação com parentes e amigos reais
“Nós sacrificamos a conversação trocando-a pela mera conexão. Em casa, as famílias podem estar reunidas, mas cada um fica mandando mensagens e lendo e-mails. Os executivos mandam mensagens durante reuniões da diretoria. Mandamos mensagens, fazemos compras além de entrar no Facebook durante as aulas e quando saímos com alguém”, resumiu a psicóloga Sherry Turkle.

“É engraçado, o Facebook banca de rede social, mas na prática estamos nos desconectando”, respondeu outra pessoa à CNN. “Se você passa o tempo vendo fotos de “amigos de amigos” que nem conhece, quiçá você poderia pensar em passar um momento com alguém mais próximo, chamar a sua irmã, voltar a ter contato com as pessoas que, sim, são importantes”.
2. “Amizades” irreais, ou na realidade falsas
“Você poderia pensar em passar um momento com alguém mais próximo, chamar a sua irmã, voltar a ter contato com as pessoas que sim são importantes”
“Você poderia pensar em passar um momento com alguém mais próximo, chamar a sua irmã, voltar a ter contato com as pessoas que sim são importantes”
Segundo a CNN, “os usuários que mais tempo passam no site acreditam constantemente que seus amigos do Facebook são mais felizes do que eles”. Resultado: correm atrás de uma ilusão de felicidade que nunca conseguem atingir.
3. Perda da privacidade
“O Facebook mudou com frequência suas configurações de privacidade no passado e continuará a fazê-lo, sempre em detrimento da privacidade”, comentou outro dos consultados pela CNN.
4. Perda de tempo
“É facílimo perder uma hora no Facebook… É útil perder todo esse tempo?” – foi outra das explicações da saída de Facebook, segundo a CNN.
5. Ameaças à imagem pessoal ou profissional 
Pessoas que julgam não participar das redes sociais, nem mesmo no Facebook, na realidade aparecem nos buscadores com fotos, comentários e dados pessoais subidos por amigos, companheiros ou conhecidos. Isto pode ser muito prejudicial em circunstâncias impensadas.

Fonte: http://ipco.org.br/ipco/noticias/desconexao-perda-amizades-beneficios-facebook#.UmXUR8JTvIU

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Facebook produz efeito inverso, dizem cientistas

Facebook produz efeito inverso, dizem cientistas

Luis Dufaur
“Quanto mais se utiliza Facebook menos bem se sentem as pessoas”
“Quanto mais se utiliza Facebook menos bem se sentem as pessoas”
Em vez de melhorar o bem-estar das pessoas, o Facebook produz o efeito inverso” – constatou Ethan Kross, psicólogo da Universidade de Michigan e principal autor de um estudo publicado pelo jornal científico PLOS.“
A notícia é do matutino parisiense “Le Monde”.
Os pesquisadores analisaram 82 jovens comsmartphones e contas noFacebook, no intuito de avaliar se eles se sentiam melhor enviando textos cinco vezes por dia durante duas semanas, além de calcular o número de seus acessos à rede social.
Os resultados apontaram que “quanto mais se utiliza o Facebook, menos as pessoas se sentem bem. (…) Quanto mais o utilizam, mais declina seu nível de satisfação”.
Em sentido contrário, o relacionamento real com as pessoas contribui para melhorar o bem-estar pessoal.
Estes são resultados da mais alta importância, pois tocam no próprio cerne de influência que as redes sociais podem exercer na vida das pessoas”, sublinhou John Jonides, especialista em neurociências da Universidade de Michigan e coautor do estudo. Os cientistas notaram que as pessoas recorrem mais à rede social quando se sentem privadas do relacionamento normal.
O estudo foi publicado uma semana depois de sair um inquérito de pesquisadores britânicos sobre a postagem frequente de fotos no Facebook como motivo de deterioração das relações humanas na vida real.