Egbert Schuurman (1937 - ) is a professor of Reformational philosophy at the Universities of Delft

Egbert Schuurman (1937 - ) is a professor of Reformational philosophy at the Universities of Delft

domingo, 2 de novembro de 2014

10 PECADOS COMETIDOS POR INTERMÉDIO DO FACEBOOK

10 PECADOS COMETIDOS POR INTERMÉDIO DO FACEBOOK

Por Fabio Campos

Dificilmente vamos ver um “cristão” radical nos “usos e costumes” restringir o uso do facebook por parte dos irmãos. Antigamente víamos este comportamento para com a televisão, orkut, entre outros meios; diziam ser mundanos, e por isso “proibido” segundo a visão de algumas denominações.

Parece-me que o facebook atenuou os ânimos ascéticos dos mais dogmáticos. Hoje é comum interagir com pastores por meio deste veículo. Irmãos de denominações mais “rigorosas” como é o caso da “Congregação Cristã do Brasil”, “Deus é amor” e algumas vertentes da “Assembleia de Deus” usam o facebook sem nenhuma acusação na consciência. Em parte fico feliz por isso. Muitos foram libertos dos “usos e costumes” e estão partindo para uma base mais sólida na fé, a saber, a doutrina bíblica. O jugo posto pela liderança sobre a cerviz dos irmãos mais simples no entendimento, de fato, tem sido aliviado com o acumulo do conhecimento bíblico.

No entanto, precisamos fazer bom uso deste meio. Infelizmente, o facebook tem se tornado “pedra de tropeço” na vida de muitos irmãos; seja pelo o que escrevem – seja pelo o que leem – enfim, vigiar com isso é preciso. Por decisão própria me afastei um pouco das redes sociais. Pude identificar (a começar por mim) pecados que são cometidos sutilmente por intermédio desta rede. Trato aqui apenas dez dos milhares que cometemos, pois se continuarmos a lista, certamente precisar-se-iam gastar dias, e mesmo assim não chegaríamos à conclusão. Vamos à lista:

1) Frivolidade: Muitas das nossas expressões são frívolas, ou seja, sem nenhum valor. Simplesmente escrevemos porque caímos na tentação de postar “o que estamos pensando”. Alguns dos nossos pensamentos podem ser setas de satanás e sentimentos confusos ainda não resolvidos. Agora imagina a forma que o leitor interpreta isto. Você já deve ter entendido onde tudo isso vai parar. É sabido       que daremos conta de toda palavra frívola que escrevemos.

2) Inveja: Quem nunca sentiu inveja passeando pelo facebook? Pois é, entenda que ali dificilmente alguém vai postar suas derrotas e mazelas; literalmente, estamos no “país das maravilhas”. Às vezes você está passando por uma luta no seu matrimonio; de repente, então, se depara com a self de um casal em “alta temporada”, desfrutando merecidamente de umas boas férias no nordeste do Brasil, com o seguinte selo: “O amor é lindo”. Se você estiver cheio do Espírito Santo, isso será apenas uma tentação e logo, pela oração, ficará alegre pela felicidade dos amigos. Do contrário, se o seu coração estiver azedo, seus pensamentos não serão bons e você acabará cedendo ao pecado da murmuração. Cuidado com a inveja por ver a alegria de outros, pois nem tudo que vemos, de fato, é.

3) Ostentação: Isso tem muito, postar o que se tem simplesmente para prevalecer sobre outros. Estar por cima sempre. “Olha só a quantidade de membros que há na minha igreja”, chamam a glória para si. Muito cuidado, pois sua integridade física também pode estar em perigo. Você não conhece as intenções dos seus “amigos”. Facilmente caímos nesta soberba de “mostrar” somente para se “sobressair”, e não muito, quando estamos mal consigo mesmo, na tentativa de passarmos uma imagem positiva, mostramos o que temos para encobrir o que não temos. Nossa vida então passa a ser uma farsa regida pelo pai de toda mentira.

4) Cobiça: Muitas das vezes, imperceptivelmente, cobiçamos o que não temos; pelo desejo de ter, nos tornamos ingratos com aquilo que já temos. Isso não se trata apenas de coisas, mas de pessoas; o homem ou mulher que olha para a “grama do vizinho“ é um exemplo disso. Examine se há este sentimento no seu coração, quando a ingratidão com aquilo que você tem bater a porta do seu coração.

5) Ociosidade: Já diz o ditado popular: “mente vazia é a oficina do diabo”. Pois é, postamos o que não deveríamos - lemos que não precisamos - e julgamos o que não sabemos. Como está escrito: “quanto mais palavras, mais tolices sem nenhum proveito” (Ec. 6.11). Não consigo entender como um pastor consegue cumprir com suas obrigações ministeriais postando no facebook o dia todo. E pior, assuntos controvertidos, simplesmente para obter popularidade e atrair para si a atenção. O simples não faz sucesso, mas a controversa fomenta o ego caído e nos torna “deuses”, conhecedores do “bem o do mal”. Muito cuidado com os controvertidos e polemistas do face, ainda que professem a sã doutrina. Certamente, se ele tem tanto tempo para postar, consequentemente não tem tempo para orar, e é muito perigoso receber conselhos de pessoas que não escutam a Deus pela oração. Falam de Deus, mas não falam com Deus. Conheça a vida de oração de alguém pelo o que ele diz ou posta; muitas das nossas discussões tolas acabariam se nossa vida de oração fosse mais eficaz. Creio ser impossível alguém que acabe de levantar de sua oração, cheio do Espírito Santo, possa logo na sequencia sair discutindo com palavras agressivas.

6) Negligencia na comunhão: Nossa comunhão com as pessoas e com Deus é negligenciada. Passamos a “amar” mais os amigos online que não conhecemos, do que os que estão a nossa volta. Falhamos na comunhão fraternal cristã; os relacionamentos a cada dia têm se tornados superficiais; não damos a atenção devida a nossa família. Muitas pessoas deixam seus afazeres profissionais para estar online nas redes sociais. E o pior de tudo, nossa comunhão com Deus é afetada. Como mencionei, falamos de Deus, mas não falamos com Deus. Isso é uma tragédia! Tornamos-nos fracos, áridos, sem a graça e o poder do Espírito; enchemos nossa alma de futilidade; até aprimoramos nossa teologia (o que é muito bom) por meio dos textos postados, todavia, nos tornamos raquíticos, pobres, cegos e nus, no que concerne a intimidade com Deus. Ele fica do lado de fora batendo à porta.

7) Soberba: Quanta soberba nas declarações e discussões que há no facebook. O intuito na maioria das vezes não é edificar e nem exortar as pessoas, mas promover o seu conhecimento e construir um nome para si. Dificilmente alguém reconhecerá em público o seu erro. O Criador conhecendo a criatura disse que ao “chamarmos a atenção de alguém”, deveríamos fazer isso primeiramente em secreto. Precisamos tomar cuidar, pois podemos incorrer no erro de se engrandecer em detrimento do outro. O anseio de ser “curtido” e “compartilhado” é maior do que o temor a Deus. A estes o ensino é contrário: “que eu cresça e que Ele diminua”. Apenas entre em uma discussão quando você tiver certeza que realmente seja necessário, e também quando estiver preparado para abrir mão do direito da última palavra. Não caia no engodo de satanás.

8) Sensualidade: Cuidado com as fotos e dizeres sensuais. Nem todos são cristãos, e este quesito de nada importará para aqueles que não conhecem as Escrituras. Homem, cuidado para não cobiçar aquilo que não é seu; a mesma coisa digo às mulheres. O pecado de ambos anda em sinergia: “o homem gosta de olhar, e a mulher gosta de ser olhada”. Cuidado com aquilo que você vê, curte, lê e valoriza, pois isso será o seu alimento, como está escritoMas se os seus olhos forem maus, todo o seu corpo será cheio de trevas” (Mateus 6.22 NVI).

9) Inimizades: É comum criarmos inimizades no face sem ao menos conhecer as pessoas. Isso se dá porque interpretamos os posts conforme nosso “estado de espírito”. Às vezes alguém posta algo com um intuito, e outra pessoa faz uma interpretação diferente do que realmente do que aquilo quer dizer. Precisamos tomar cuidado na dose! Não podemos falar somente de um assunto; tem gente que só fala mal da religião dos outros; outros só falam mal do PT e do PSDB; já outros gostam de fomentar a contenda entre irmãos, e pelo litígio das discussões secundárias teológicas, como por exemplo: “calvinismos x arminianismo” – “tradicionalismo x pentecostalismo” – “cessacionismo x continualismo”; alimenta o ódio nos arraias, confundindo os néscios na fé (Rm 14.1). Já exclui muitos “amigos” por conta disto, e certamente outros também serão. Muito empreendimento para aquilo que não compensa. Graças a Deus muita das coisas que pensamos que vamos resolver hoje, através compilação de mais uma teologia sistemática, já foi resolvido por nossos pais da igreja e reformadores. Se soubéssemos como foi construída a teologia cristã teríamos mais misericórdia entre nós e amor para com próximo. Que os arminianos tenham um pouco mais do calvinismo; e que os calvinistas tenham um pouco mais do arminianismo. Seguimos, então, o exemplo e George Whitefield e John Wesley! Com a virtude e graça destes dois, mesmo pensado diferente, colocaríamos fogo no mundo.

10) Julgamentos: Como julgamos através do facebook. Nossa mente imagina sempre o pior do que realmente as coisas são ou estão. Até choramos com os que choram; mas temos muita dificuldades em se alegrar com os que se alegram. Muitas vezes nossa tendência pecaminosa tende a se alegrar com a derrota ou queda do próximo, simplesmente para justificar nosso pecado: “até que não estou tão mal assim”, assovia o diabo aos nossos ouvidos nos “consolando”. Isso é simplesmente demoníaco! Aquele que pensa estar de pé cuide-se para que não caia; e com à medida que julgarmos os outros também seremos julgados.

Conclusão:

Vimos apenas dez pecados que cometemos por intermédio do facebook. Precisamos vigiar e orar, pois o diabo tem buscado a quem possa devorar. Guardemos o nosso coração daquilo que não edifica e do que não produz a justiça de Deus. Não dê atenção a todas as palavras que o povo diz (Ec 7.12); não seja menino inconstante levado por todo vento de doutrina. Não é porque a gramática está correta que o conteúdo é verdadeiro. Cuidado! Dinheiro na conta, nos dias de hoje, legitima conceitos errados por pessoas que nada sabem e nada têm, a não ser sua fortuna. Lembrem-se, o simples acredita em tudo (Pr. 14.15). Seja criterioso, pois do “muito falar nasce a prosa vã do tolo” (Ec 5.3).

Infelizmente o face tem sido um escape para muitos. Pessoas estão em fuga de si mesmo o tempo todo; não se autoexaminam, e tudo o que sabem de si, está baseado no que pensam delas; são dependentes dos outros, das suas curtidas, dos comentários e dos compartilhamentos. Esqueceram que o verdadeiro homem ou mulher “são conhecidos, antes de tudo, de Deus”. Sua referencia é o outro, ou seja, se o outro está bem; então, preciso estar melhor; se o outro está mal; é porque não estão tão mal assim.

Enganando e sendo enganado - vivendo uma ilusão e um mundo mentiroso, a custa do elogio de quem não o conhece em detrimento daquele que conhece todas as coisas, até o mais profundo do nosso coração - assim andam aqueles que pensam que a vida se resume ao “facebook”. Que Deus nos ajude, pois ainda que usemos o face para entretenimento, de uma forma saudável e equilibrada, fazemos então para a glória de Deus.

“Em meio a tantos sonhos, absurdos e conversas inúteis, tenha temor de Deus”. – Eclesiastes 5.7 (NVI).

Considere este artigo e arrazoe isto em seu coração,

Soli Deo Gloria!

Fabio Campos